Como funcionam os cursos de formação Ministerial? Saiba aqui!

curso de formação ministerial

Algumas pessoas se perguntam se vale a pena investir em um curso de formação ministerial. Enquanto algumas reconhecem essa importância, outras acham que estudar esse assunto pode deixar os indivíduos presos a ritos e processos, perdendo a unção e o mover do Espírito Santo.

Por mais comum que essa ideia seja, é bom deixar claro que esse é um grande engano! Isso porque os cursos desse tipo ajudam a aprofundar nas doutrinas da fé e a expandir a visão de forma considerável. Por exemplo, as pessoas interessadas nesse tipo de aprendizado podem entender questões relacionadas a conhecimentos geográficos, culturais e filosóficos — pontos que ajudam muito na interpretação bíblica em profundidade.

Se você quer entender um pouco mais como os cursos de formação ministerial funcionam, não deixe de ler este post até o final!

Qual a real importância de investir em cursos de formação ministerial?

Como adiantamos (e você já deve ter percebido), é muito comum encontrar pessoas que defendem que cursos de formação ministerial não são importantes ou podem ser desconsiderados. Elas acreditam que eles foram criados apenas para burocratizar o serviço no Reino de Deus.

Em partes, é verdade que esses cursos não são uma necessidade, mas não dá para negar que podem ser grandes aliados para quem pretende oferecer um serviço de excelência. Esse é um aspecto estimulado pelo próprio Deus: que ofereçamos a Ele o nosso melhor e com todo o coração. Isso significa que existe um trabalho de aperfeiçoamento constante da nossa parte para oferecer um ofício de qualidade.

Quem opta por estudar passa por aprofundamentos na construção da fé que fazem toda a diferença. Em um curso de teologia, por exemplo, os alunos estudam subcategorias que são verdadeiros fundamentos da fé cristã, como a Soteriologia (estudo da doutrina da salvação) e a Teontologia (teologia sistemática sobre a existência de Deus). Enquanto para alguns isso pode ser dispensável, para outros é uma oportunidade de entender a construção do cristianismo de forma mais completa.

É isso mesmo: desenvolver conhecimentos desse tipo é muito importante, pois assim a pessoa tem mais embasamento. Esse aspecto é um diferencial para quem quer se envolver com a igreja e a obra de Deus nessa Terra.

Quais são as principais disciplinas dos cursos de formação ministerial?

Quando falamos especificamente desses cursos, não dá para negar que eles contam com disciplinas específicas para o desenvolvimento de pessoas responsáveis por funções ministeriais. Nada mais natural, já que a ideia é abordar o aspecto teórico e prático para indivíduos que estão envolvidos em um trabalho desse tipo.

Para isso, o curso propõe diálogos recorrentes com a realidade eclesial e social. Entre as principais áreas exploradas, podemos destacar a Bíblia, a História, a Teologia e a Ciências Auxiliares. As disciplinas podem variar de curso para curso, mas normalmente eles contam com Literatura do Antigo e Novo Testamento, Grego, Hebraico, Espiritualidade e Teologia Sistemática.

As matérias complementares também merecem destaque, já que são verdadeiros diferenciais e podem ser abordadas conforme a necessidade de atuação de cada pessoa na igreja. Ainda assim, as mais procuradas envolvem psicologia cristã, ciência da religião, liturgia e culto, missão da igreja e administração eclesiástica.

Como funciona o processo seletivo?

O processo seletivo e a mensalidade são fatores que variam muito, pois ficam a critério de cada instituição. Ainda assim, de um modo geral, há a abertura para inscrições a cada novo semestre. O processo também é variável, mas pode ter provas escritas e entrevistas de profundidade para entender o interesse do candidato e a aplicabilidade do curso às suas funções. Depois de ser aprovado e selecionado, o aluno é comunicado e deve seguir com a matrícula.

Vale destacar também a crescente demanda por cursos desse tipo pela internet. Essa é uma ótima forma de atender as pessoas com conteúdos de qualidade, mas de forma menos burocrática e mais fácil. Isso porque, como não existe uma limitação de alunos por classe, vários alunos podem participar de forma conjunta e enriquecer seus conhecimentos.

O que levar em consideração na hora da escolha?

Se você quer fazer uma boa escolha no momento de procurar um curso desse tipo, é importante levar alguns aspectos em consideração? Nós elencamos os principais abaixo.

Qualidade do conhecimento

O primeiro aspecto a considerar é a qualidade do conhecimento. Como esse é o principal ganho que os alunos podem ter, é bom ser criterioso e analisar esse fator com calma. Por isso, avalie as matérias disponíveis e a qualidade do que é transmitido.

Se você está em dúvida sobre a importância desse ponto, então pense como seria dedicar horas ao curso de formação ministerial e perceber que ele não está acrescentando muita coisa por ser um verdadeiro desperdício de tempo. A sensação não é das melhores, não é mesmo?

Facilidade para tirar dúvidas e avaliação

Esses cursos podem despertar dúvidas e dilemas — e é importante ter um fluxo para que esses alinhamentos sejam feitos. Somado a isso, é essencial avaliar o seu desenvolvimento por meio de avaliações periódicas, pois essa é uma ótima forma de testar a absorção dos conteúdos.

Ainda assim, é bom destacar que o aluno deve estar aberto a novas formas de avaliação. Hoje em dia, por exemplo, as provas virtuais ganharam muito espaço e substituíram significativamente os modelos de papel.

Credibilidade da instituição de ensino e certificação

Outro aspecto relevante é a qualidade da instituição de ensino. Ela deve ser idônea, com credibilidade de mercado e bem avaliada por outros alunos que já estudaram ali. Procure ainda por um local que ofereça certificação, já que esse é o principal comprovante do tempo que você dedicou aos estudos.

Agora que você já sabe como funciona o curso de formação ministerial, não deixe de investir nesse tipo de conhecimento. Essa é uma ótima forma de se capacitar para o trabalho, seja como líder, professor de escola dominical ou administrador eclesiástico. São muitos os papéis dentro da igreja, mas é bom estar preparado para oferecer o seu melhor sempre.

Se você quer conhecer um curso de qualidade, entre em contato conosco agora mesmo e confira as opções que temos disponíveis! 

Qual a importância da oratória para pregadores e como aprimorar?

oratória para pregadores

Quando o assunto é oratória para pregadores, não dá para negar que existem algumas características que fazem toda a diferença. A segurança, ousadia e tom de voz, por exemplo, são determinantes para quem quer se comunicar bem com o público.

É isso mesmo: a falta de oratória pode comprometer muito a tarefa de compartilhar o Evangelho, já que pode deixar as pessoas desinteressadas e até mesmo sonolentas.

Para entender mais sobre a importância dessa habilidade e como aprimorá-la, leia este material sobre o assunto até o final. Vamos juntos nessa?

Afinal, o que é oratória?

Antes de falarmos sobre como aprimorar essa qualidade, é fundamental entender o que é oratória e qual sua importância para pregadores. Bom, ela representa um conjunto de regras que mostram como se comunicar bem, ou seja, com eloquência. Isso significa que, quando tratamos desse assunto, estamos compartilhando maneiras eficientes de transmitir sua mensagem ao público que a escuta.

Como você deve imaginar, ela é importantíssima! No caso da oratória para pregadores, a ideia é desenvolver técnicas que façam com que você compartilhe uma pregação bíblica para que todos a entendam. Essa habilidade é muito importante, pois existem pessoas que conhecem muito sobre a Bíblia, mas não são tão boas na missão de compartilhar o conteúdo com os outros.

Desenvolver uma boa oratória é uma forma de falar com ainda mais excelência, visto que você tem em mãos técnicas para transmitir o que quer com clareza.

Como aprimorar a oratória para pregadores?

Se você quer saber como evoluir nesse sentido, então precisa ler algumas dicas que elencamos abaixo. Acompanhe.

Prepare-se para esse momento

O papel de falar bem em público é facilitado quando você sabe o que quer comunicar. Portanto, antes de falarmos das técnicas de oratória para pregadores em si, é importante ter claro o que você quer transmitir. Nada mais natural, já que essa é uma forma de aumentar a confiança e, como consequência, acertar o jeito de falar.

Se você ainda dúvidas sobre a importância dessa dica, pense em como algumas pessoas se atrapalham na hora de pregar por não terem conhecimento suficiente. Por esses e outros motivos, estude muito a Bíblia e explore outros cursos e livros para ter ainda mais embasamento.

Cumprimente o público

Essa é a primeira coisa a fazer, então, não deixe de saudar a igreja. Assim, fica mais fácil criar um clima de receptividade. Para ter resultados ainda melhores, tente fazer isso sorrindo, com algumas palavras de gratidão por estar ali. E claro, nada de gastar muito tempo! Lembre-se de que essa é apenas uma introdução.

Saiba impor a voz

Explorar a voz de maneira adequada é outro ponto importantíssimo, principalmente se considerarmos que poucas pessoas sabem fazer isso. Enquanto alguns gritam demais, outros falham na hora de demonstrar entusiasmo.

Tenha em mente que, em alguns momentos, é importante impor mais a voz, pois essa é uma forma de demonstrar mais ênfase, mas evite gritar. Existem algumas frequências de sons mais altas que podem irritar as pessoas. Por isso, treine o jeito de falar e explore o tom de voz de forma correta.

Tenha atenção aos vícios de linguagem

O vício de linguagem é outro ponto que merece cuidado. Certas pessoas repetem muito algumas palavras e/ou expressões, outro aspecto que acaba roubando a cena. Para você ter noção, alguns fiéis deixam de prestar atenção na palavra para reparar quantas vezes o pregador vai repetir o vício de linguagem.

Além disso, invista em um conhecimento maior da língua portuguesa. Para isso, leia sempre que puder, pois assim fica mais fácil evitar erros de concordância, por exemplo.

Tenha uma boa postura

Para fechar, não poderíamos deixar de destacar a importância de uma boa postura. Evite alguns hábitos, como limpar a garganta, tossir ou ficar com a mão no bolso. A ideia aqui é tentar ser o mais natural possível.

Depois de descobrir um pouco mais sobre a importância da oratória para pregadores, ficou mais fácil entender por que você deve investir nesse conhecimento, não é mesmo? Aplique as técnicas de aprimoramento e aproveite a oportunidade de influenciar vidas! 

Se você quer continuar acompanhando nossas dicas, então curta nossa página no Facebook. Nos encontramos por lá. Até!

O que são os fundamentos bíblicos e como aplicá-los na Igreja? Entenda!

fundamentos bíblicos

A Igreja é o reflexo de Deus na Terra. Como parte desse corpo, existem divergências entre alguns aspectos, mas também existem fundamentos bíblicos unânimes, que são verdadeiros pilares da fé cristã.

Embora seja um assunto tão importante, muitas pessoas ainda não conhecem esses fundamentos e deixam de aplicá-los em suas igrejas. Se você quer se aprofundar no assunto, leia este artigo completo! Aqui, ensinamos como você pode trazer os fundamentos para a sua realidade.

Afinal, o que são fundamentos bíblicos?

Um fundamento é a base/alicerce de construção de alguma coisa. No caso da bíblia, ele funciona como uma verdadeira base quando o assunto é a construção da fé cristã.

É como se os fundamentos fossem pilares de fé que unem as pessoas cristãs ao redor do mundo. Ou seja, os fundamentos da vida cristã são conjuntos de ensinamentos básicos sobre os quais apoiamos as nossas vidas.

Entre os principais, podemos destacar a existência da Trindade. Ela parte do reconhecimento de Deus como Todo Poderoso e criador de todas as coisas, de Jesus como seu filho encarnado e ressurreto e do Espírito Santo como um auxiliador.

A Trindade não é o único pilar sobre o qual a Igreja se apoia. Como você deve imaginar, muitas pessoas não sabem quais são eles. A boa notícia é que a melhor forma de descobrirmos é por meio da própria palavra de Deus, ou seja, por meio da leitura bíblica.

Como a bíblia foi divinamente inspirada pelo espírito do senhor que habita em nós, é Ele mesmo que nos revela essas verdades.[rock-convert-pdf id=”1514″]

Um pouco mais sobre os fundamentos

Como adiantamos, existem alguns fundamentos que se enquadram no pilar vertical. Entre eles, podemos destacar o reconhecimento da Trindade, o papel do Espírito Santo e o nascimento virginal de Cristo. Eles são conhecidos como “verticais” por terem relação apenas com o relacionamento pessoal com Deus.

Outros fundamentos bíblicos seguem o pilar horizontal. Isso significa que a nossa confissão de fé também tem um compromisso de atingir as pessoas e as comunidades ao nosso redor. O próprio Jesus falou sobre a importância de investirmos em relacionamentos e, por meio deles, transformarmos a nossa realidade.

É importante saber que os fundamentos também se relacionam com a importância de algumas práticas religiosas, como o jejum e a oração. Andar mais próximo das pessoas também é uma ótima maneira de se aproximar de Deus. Como ele está revelado na humanidade, cuidar de pessoas é uma forma de se alinhar com a sua vontade!

Como aplicar os fundamentos na igreja?

Agora, você já está familiarizado com as verdades que norteiam a vida cristã na terra. Mas além de compreender quais são fundamentos, é fundamental entender como você mesmo pode aplicá-los na sua realidade. Veja, abaixo, algumas dicas que nós separamos!

Ajudar uns aos outros

Deus é amor! E uma das melhores formas de revelá-lo para o mundo é praticando o amor ao próximo. Isso significa que precisamos nos preocupar verdadeiramente uns com os outros, cuidar dos nossos irmãos e irmãs e ajudá-los sempre que necessário.

Essa ajuda pode ser feita de diversas formas. Você pode abençoar alguém em situação de necessidade com uma ajuda financeira, atuar como um ouvido amigo diante de pessoas que precisam desabafar ou simplesmente oferecer um abraço de consolo em momentos de aflição.

O importante mesmo é permanecer atento à necessidade do outro e se disponibilizar para ajudá-lo.

Promover ações sociais

As ações da igreja devem se expandir e ir além do contexto do próprio templo. Isso significa que devemos nos envolver em ações sociais. A distribuição de cestas básicas, apoio e/ou criação de projetos sociais são apenas alguns exemplos.

Um dos dons espirituais devem ser explorados com mais afinco. Por isso, procure relacionar a espiritualidade desenvolvida em você com maneiras de alcançar e transformar outras pessoas!

Saber ouvir com respeito

Ouvir o que as pessoas têm a dizer é uma qualidade cada vez mais em falta. A correria do dia a dia roubou parte do nosso tempo — e o egoísmo do nosso coração rouba grande parte do restante. Por essas e outras, precisamos lutar contra essa tendência imposta pelo mundo e aprender a ouvir com respeito.

Para isso, é importante nos despirmos de toda e qualquer forma de julgamento que possa trazer peso ou constrangimento para quem se abre. Lembre-se de que um dos legados de Jesus foi que confessássemos os nossos pecados uns aos outros. Então, saiba ouvir como ele faria! Tenha uma atitude amorosa e embasada no respeito.

Não julgue as atitudes da comunidade

Uma ação destruidora é julgar a atitude dos outros. Infelizmente, essa ainda é uma prática comum nas igrejas, embora tenha sido fortemente combatido por Jesus em vida. Quando fazemos isso, colocamo-nos em um papel de superioridade que quase nunca condiz com a realidade. Somos todos pecadores e necessitamos da glória de Deus!

Uma postura de julgamento causa muito constrangimento para quem errou ou tomou uma decisão imprudente. A pessoa acaba se sentindo ainda pior, pois o julgamento faz com que ela se sinta inferior diante dos outros.

Quando pensar em julgar um irmão ou irmã, lembre-se do exemplo de Jesus com a mulher samaritana. Enquanto ela estava em vias de ser apedrejada, Cristo desaprovou aqueles que a condenavam e disse que ele mesmo não faria isso.

Siga essa inspiração: traga leveza para a vida das pessoas que erraram. Junto a isso, ofereça um estímulo que faça com que elas não queiram mais pecar.

Agora que você conhece os fundamentos bíblicos e saber que segui-los nos torna mais parecidos com Jesus na terra, tenha-os em mente daqui para frente. A adoção de atitudes baseadas nos fundamentos contribui para a promoção de um clima de paz, além de nos dar a sensação de alinhamento com a vontade de Deus para o seu povo.

E você, conhece outra maneira de aplicar os fundamentos bíblicos nas igrejas? Então, deixe o seu comentário logo abaixo e ajude outras pessoas. Nos encontraremos em breve!

Obreiro da igreja: entenda quais são seus principais deveres

obreiro da igreja

O exercício do obreiro da igreja é de grande importância para o desenvolvimento e acolhimento dos irmãos que buscam na casa do Senhor a força, os ensinamentos e as bênçãos de Deus. O principal dever do escolhido é servir ao Senhor, atendendo ao seu chamado prontamente e de coração aberto.

Para ajudá-lo a compreender quais são seus deveres e compromissos nessa função, preparamos este artigo. Aqui você vai entender melhor o que é ser um obreiro da igreja, como deve ser seu comportamento, o que é inadequado para esse posto e quais os principais deveres a serem cumpridos.

Acompanhe e prepare-se para viver em plenitude esse chamado!

O que é ser um obreiro da igreja

A resposta para o que Deus espera dos seus escolhidos para obreiros está na Bíblia. Jó é claro em suas palavras sobre o significado de desempenhar esse papel: obreiro é aquele que se descobre como serviçal do SENHOR e atende sem tardar o seu chamado.( Jó 15.16)

O obreiro é, antes de mais nada, um servidor de Deus. Ele contribui e coopera para a realização de um projeto, uma campanha ou apostolado. Ser obreiro é estar atento às suas tarefas e sempre primar pela polidez e discrição. É entender que está ali para servir e não para ser servido.

Ser obreiro é ter o coração humilde para executar as ordens do Senhor e acolher os irmãos que estão juntos nessa trajetória. Ser obreiro é ser exemplo para a comunidade e auxiliar a todos a encontrar os caminhos do Senhor.

Quais são os deveres do obreiro

O obreiro é o escolhido para laborar nas obras do Senhor. Por isso, ele deve observar algumas regras de conduta e posicionamento frente ao exercício do chamado.

É importante que o obreiro tenha em mente que essa função exige equilíbrio emocional. Ou seja, o obreiro deve ser capaz de aceitar críticas, sugestões e correções com o coração aberto e sem a interferência do ego. É preciso maturidade emocional e espiritual.

Ele deve ser cuidadoso no seu exercício, evitando atitudes que chamem atenção ou que vão em desacordo com os preceitos do Senhor. É preciso que sua vida esteja sempre em conformidade com os ensinamentos bíblicos, afinal ele deve ser exemplo para a comunidade.

É fundamental conhecer a palavra do Senhor para agir e ajudar na condução dos irmãos rumo à Verdade. Por isso, um dos deveres do obreiro é estar sempre em evolução sobre os ensinamentos de Cristo.

Abaixo, selecionamos mais alguns deveres que devem fazer parte do exercício do obreiro da igreja:

  • ser fiel aos ensinamentos;
  • ter pontualidade e assiduidade nos cultos;
  • buscar sempre as orientações do pastor para vencer os desafios e limitações de forma a honrar o Senhor;
  • honrar sua família e conduzi-la no caminho do Senhor. (O relacionamento familiar é muito importante para o sucesso do obreiro!);
  • adequar-se nas vestimentas e posturas, tanto durante o culto quanto na vivência do cotidiano;
  • ser obediente, humilde e caridoso na condução da sua obra.

Em suma, ser obreiro da igreja é uma grande honra e glória para os escolhidos. Conhecer seus deveres e entender o que o Senhor espera é fundamental para que o obreiro alcance o sucesso em sua tarefa.

Quer saber mais sobre como vivenciar a vocação pastoral? Veja como se qualificar para ser membro do ministério. Boa leitura!

Por que você precisa do conhecimento bíblico para a sua vida?

Quem entende o poder direcionador da palavra de Deus sabe o quanto o conhecimento bíblico é importante. Ele é um verdadeiro aliado para quem quer saber como viver nessa Terra e seguir um caminho seguro até “alcançar a perfeição”.

O desenvolvimento de aprendizados desse tipo pode mudar a vida de qualquer pessoa — e os resultados podem ser ainda melhores se estiverem conjugados com o relacionamento com a igreja. E o melhor: o conhecimento bíblico traz frutos que transformam a vida de qualquer pessoa!

Veja abaixo como ele pode melhorar sua vida. Vamos juntos nessa?

Alimenta a alma

A Palavra de Deus é o verdadeiro alimento que a nossa alma precisa para se aquietar e confiar. Você provavelmente já ouviu que o “pão é alimento para o corpo e a Palavra de Deus para a alma”. Pois bem, o próprio Jesus falou isso, considerando que nem só de pão o homem vive, mas de toda palavra que sai da boca de Deus (Mt 4:4).

A Bíblia é direcionadora quando o assunto é alimentar a nossa alma, pois as palavras de Jesus são espírito e vida! Portanto, não deixe de explorar esse caminho e perceba como o conhecimento bíblico pode mudar a sua vida! 

Santifica

As Escrituras são inspiradas por Deus e são úteis para o ensino, repreensão, correção e educação na justiça (2 Tm 3:16). Esse papel transformador do conhecimento bíblico aperfeiçoa o homem e, como consequência, santifica também!

É bom deixar claro que o processo não acontece de uma hora para outra, mas sim gradualmente. Portanto, é bom se comprometer com as práticas espirituais (entre elas ler e estudar a Bíblia continuamente), pois elas são o norte para que sejamos santificados e aperfeiçoados como Jesus. 

Liberta

A libertação é outro aspecto alcançado com o conhecimento bíblico. Como ela é a verdade e a verdade é responsável por nos libertar (Jo 8:32), não podemos abrir mão desse conhecimento.

Somado a isso, esse aspecto nos torna verdadeiramente livres da expectativa dos outros, dos nossos medos e de vários outros aspectos que acabam nos aprisionando. Portanto, a Palavra nos liberta dessas prisões e, quanto mais conhecemos, mais livres somos de todos esses julgamentos.

Confere sabedoria para as decisões

Uma situação comum para cada um de nós envolve a indecisão sobre que rumo tomar ou que caminho seguir. O conhecimento bíblico também é de grande ajuda nesse sentido, pois auxilia a tomar decisões com mais sabedoria.

Além das falas e posicionamentos do próprio Jesus, a Bíblia conta a história e conselhos de homens que foram muito sábios quando estavam na Terra (inclusive Salomão, que foi o mais sábio deles). O conhecimento bíblico atrelado ao direcionamento do Espírito Santo são determinantes para quem quer ser bem-sucedido nesse sentido!

Como você pode perceber, a espiritualidade pode ser uma ótima fonte para quem quer tomar decisões acertadas!

Ajuda a espalhar mais amor

Conforme conhecemos a Deus, somos transformados em sua imagem e semelhança. Esse processo torna cada um de nós pessoas que amam mais, pois Deus é amor (1 Jo 4:8). Esse aspecto pode parecer despretensioso, mas é um grande diferencial, principalmente em tempos em que as pessoas ligam cada vez menos umas para as outras.

Se você quer fazer a diferença nesse mundo, então pode explorar o conhecimento bíblico para entender como isso é importante. E, em seguida, deixar o fruto do Espírito (Gl 5:23) fluir em você, fazendo com que seja uma fonte que espalha amor por onde passa. Pode parecer difícil em um primeiro momento, mas você vai perceber que isso acontece de forma natural conforme se alinha com o desejo do próprio Deus!

Dá força para se desviar do mal

Desviar-se do caminho mal é algo que os seguidores de Jesus devem fazer. Mas, como você já deve ter percebido, nem sempre essa é uma tarefa fácil. As tentações pegam justamente o nosso “ponto fraco” e, justamente por isso, é tão difícil resistir a algumas delas.

O contato com a Palavra de Deus pode ser de grande ajuda quando o assunto é resistir ao mal (Tg 4:7). Isso acontece porque ele confere a capacidade para se desviar desse caminho com mais facilidade.

Como estamos buscando um alinhamento espiritual maior com o quê Deus tem como propósito para nós, deixamos a nossa natureza carnal em segundo plano. Acredite: esse aspecto torna mais fácil resistir ao caminho mal que se coloca na nossa frente!

Aproxima de Deus e traz mais autoridade

Nós nos aproximamos de Deus sempre que buscamos o conhecimento bíblico de todo o coração. Como essa é uma forma eficiente de conhecer o próprio Criador, nos deparamos com os seus atributos e seu coração no que está escrito em Sua Palavra. Esse é um aspecto que não dá para negar: a Bíblia nos aproxima muito de Deus!

Outra grande vantagem é a autoridade sobre o assunto. Somos naturalmente mais ouvidos quando entendemos determinado tema — e não é diferente no caso da Bíblia. Conforme conhecemos a história, nossa mente consegue fazer conexões profundas e se abre para revelações poderosas que estão contidas ali.

Além disso, o alinhamento com a vontade de Deus também nos traz mais autoridade espiritual. Lembre-se que Jesus venceu o diabo no deserto usando a própria Palavra de Deus (e nós também podemos vencê-lo com mais facilidade quando nos apropriamos do poder que ela pode fornecer para nós). Se você quer ter autoridade nesse sentido, então não deixe de dedicar seu tempo nesse sentido e perceber os frutos que vão aparecer!

Depois de ler este artigo e entender como o conhecimento bíblico pode transformar a sua vida em diferentes esferas, não deixe de se dedicar ao estudo da Palavra. Caso ainda não saiba como seguir esse caminho ou por onde começar, então temos uma ótima alternativa. Procure cursos de aprofundamento que vão ajudar você nesse sentido!

Entre em contato conosco agora mesmo e conheça as mais diversas opções que temos para você! Estamos aqui para ajudá-lo nessa trajetória de conhecer ainda mais sobre a Bíblia e experimentar o poder transformador que ela tem!